sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

A menina pires descobriu este ano palavras novas em várias línguas


jagaragatui
parajanatova
frotibulicã
tingelimatuta
dregolunovu
espartuba
bretunha
asperitiva
honildestão
grefunta
labirástero
cuçada
pinda
mersibuntes
xunia
nedaguita
sergambado
vertasgaio
wigi
quotrida
zaúl
rejosfanda
deçassas
julim
tinior
balaúm
opergunde
gareg
dubindal
bertiles
vordip
lubab
numbed
erggen
xalú
poió
linfutra
egasax
trishtoño

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

A música não fará as pazes

A música não fará as pazes com a fúria
nem se zangará com Alecto
A música ocupar-se-á do tempo seguinte
sem expulsar os cinzentos
A música terá os olhos vermelhos
de tanto enfrentar a violência
com sentidos novos

A música saberá que vai
insatisfeita, não se retira
Fica sem parar
como o lume
Tem serpentes no cabelo
como Alecto

O pássaro ou ela itinerando
- é demasiada liberdade
para os deuses concordarem

Juno não quer mais disso,
diz que seja qual for a luta que está para vir
ela mesma tratará do assunto

Despede Alecto então
que só arranja confusão
em todas as grécias

A música começará,
outra vez aguda
A música gritará baixinho
para orelhas moucas
A música
desrespeitará o pacto da tirania

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A vida está toda à tua espera


Sou o tempo das desrazões, proponho todos os dias que acordes sem saber do futuro e tenhas de te submeter às oportunidades inexistentes da serpente, enquanto os dedos se assustam. O teu caminho será solitário e penoso, até chegares à fronteira. Daí para diante és livre, e podes recusar a vida de cão à vontadinha, desde que desembolses o suficiente para as despesas. Como é evidente, tens de mostrar os documentos.

Chama-se letra morta, é a promessa que nunca será cumprida, são os teus sapatos rotos que pisam o sangue e a pedra. Melhor, são as mentiras dos teus antepassados vividas por ti, enquanto respiras. A canção que melhor condiz cantou-a um homem baixote no beco de maria da guerra:

A vida está toda à tua espera
Sósias teus em todas as esquinas
Fazem saltar as sombras
No meu corpo de fantasma

A vida está toda à tua espera
Os amigos são dobrados pela renda
Apanham cacetadas
Em páginas de jornais

A vida está toda à tua espera
Antes de avançares olha os bandidos
Vou tirar o jugo
Antes que seja tarde

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

domingo, 4 de novembro de 2012

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Se eu fosse hipocondríaco

Estaria hoje com uma doença nova, muito rara
que me impediria de trabalhar no mesmo sentido
nestes dias obscuros
em que a opressão avança passo a passo.

Seria obrigado a um tratamento longo nos ares da praia
nos dias claros...

- Comece já.

O médico proibir-me-ia de aceitar ordens superiores
de ir tão cedo para o escritório
se fosse num escritório que eu trabalhasse
se eu não estivesse a enganar o desemprego com obras de burocracia
se eu não estivesse a enganar a preguiça com as tarefas longas
que provocam azia.

Claro que a doença exigiria
que eu fizesse de duas em duas horas
um descanso na rede
- assobie muita música, duas colheres de indisciplina
e banhos de piscina
quando a praia fechar, privatizada,
vá para o campo apanhar ar
leia à vontade
esqueça a literatura
e não cumpra nem as minhas prescrições, diria ele.

Procure a felicidade antes de deitar
e acorde para a saudar:
olá.

Se eu fosse hipocondríaco
teria essa doença de certeza e queixava-me muito a toda a gente
porque essa doença não me deixaria aceitar
as condições propostas pelos pulhas
as torturas ao mundo com agulhas
o incendiário da guerra seria desmentido com a mão fechada
desautorizaria os autores dos crimes maiores:
os que nos impedem de fazer o dia

sem as correias que prendem o pensamento à reverência.

Eu teria de cantar enquanto partilhava
o tempo e a ferramenta
enquanto fabricava uma máquina livre,
porque faz parte do tratamento de quem tem isso
fabricar qualquer coisa que nos ajude
no trabalho mais belo - derrubar as cadeias
e abrir de novo a mão depois de bem erguida a cabeça
o punho e a ponte levantada.

Essa doença rara far-me-ia amar ainda mais a liberdade
estaria convencido de ter a doença e então, preocupado, eu iria procurar
gente com os mesmos sintomas
gente que faz greve
gente que se bate
e não desiste de um amigo
gente que combate
e não desiste do que ama
gente livre
gente que não faz de séria.

Desconfiem dessa gente tão séria, disse-me a mulher -
- ela deve ter a doença rara que eu teria,
teria de certeza, se calhar até já tenho,
já me sinto adoentado com a doença rara que eu teria.






domingo, 14 de outubro de 2012

Se eu fosse uma secretária

pensavam pensavam
que estava com uma doencita
mas ele era náuseas, vómitos, diarreia, desconforto abdominal, dor, espasmos, tonturas, vertigens, sonolência, dor de cabeça, convulsões, disrupção dos sentidos de olfacto e paladar, fezes moles,  flatulência, anorexia, perturbações digestivas, reacções alérgicas, prurido, erupção cutânea, artralgia,  vaginite, trombocitopenia, anemia hemolítica, reduções ligeiras e transitórias do número de neutrófilos, agressão, agitação, ansiedade, nervosismo, despersonalização, delírio, parestesia, síncope, astenia, insónia, hiperactividade, lesões nos ouvidos,  audição debilitada, surdez, zunido nos ouvidos, palpitações, arritmia, taquicardia ventricular, obstipação, descoloração da língua, pancreatite, descoloração dos dentes, colite pseudomembranosa, hepatite, icterícia colestástica, necrose hepática, insuficiência hepática, edema angioneurótico, urticária, fotosensibilidade, reacções cutâneas graves, eritema multiforme, necrólise epidérmica tóxica, nefrite intersticial, insuficiência renal aguda, anafilaxia, astenia, candidíase e inflamação dos testamentos.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Se eu fosse uma mesa

Se eu fosse uma mesa podia ter uma perna, duas pernas, três pernas ou quatro pernas. Se eu fosse uma mesa podia ser pesada de mármore, maciça de carvalho ou ter telhados de vidro. Podia ser desmontável ou não passar na porta. Podia ter bicos e lados e não deixar casar, ou ser redonda, ou ampliar. Se eu fosse uma mesa podia estar à janela ou fechada numa salinha interior, ou então podia ser uma mesa de jardim para jogar às cartas. Podia ser uma mesa para comer ou para escrever, ou então para as duas coisas, ou ser uma mesa de mistura. Podia ter um presidente ou lançarem-me pontos de ordem. Se eu fosse uma mesa tinha um lado vertical e um horizontal. Se eu fosse uma mesa tinha partes duras ou à pressão. Podia estar posta ou não. Se eu fosse uma mesa estava farta de cadeiras. Se eu fosse uma mesa não tinha nome e só os loucos falavam comigo. Se eu fosse uma mesa talvez juntasse o útil ao agradável. Podia ter manchas, pregos e cola, e pastilhas debaixo do tampo. Se eu fosse uma mesa não falava, mas podia ranger ou cair e podiam-me bater e lavar. Ainda não sei bem se gostava ou não de ser uma mesa.

sábado, 8 de setembro de 2012

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

o arco ressonante

Diz-se que naquela passagem, mesmo ali, no arco, quem disser o seu nome ouve o eco da sua voz. Vamos lá. Oiçam. Um de cada vez, um de cada vez.

há verão

vamos os dois passear
de carro vamos ver
portugal a arder
eucaliptos de carvão
e lambemos
calipos de limão

oh que bom sair
da cidade à natureza
carvão oh sim beleza
há mar para apagar
no som dos carros a passar

e livrem-me do betão
das paredes que pedem óculos
pra míope
e ninguém pega nestes poemas
pra fazer canções

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

peixe ao espelho

a nadar em loop junto ao vidro do aquário balão

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

água ar dente

a bílis o álcool o cloreto de sódio um mar
no chuveiro ia o mar que assim confundia-se tudo
e não havia ninguém a ver nem o próprio
o fígado e a humidade solução dissolução nadar
sem olhar

na ponta dos dedos um depósito a gritar
mudo

corro
corroente
corrosiva coerciva
incisiva
indecisa
no saibro

mato-me mais uma vez dramática com gritos
tapas os ouvidos ou diverges desvias-te da verdade escancarada
desisto

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

retrato


Encomendaram-me um retrato
com olhos nariz e boca
as pregas todas no vestido
e uma rosa
nas mãos ou no cabelo

Se fantasia é forçosa
que se limite ao fundo e muito pouca
Um reposteiro ou umas flores

Que um retrato é um retrato E para sê-lo
tem de ficar rigoroso
e acima de tudo parecido

E enquanto estico a tela escrupuloso
e mecânicamente escolho cores
a mim mesmo pergunto indiferente

De que fala esta gente?

                                 Mário Dionísio

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

silhueta da cidade montra


quando a cidade se começou a vender, deixei de usar qualquer café na minha rua porque o café não era para mim, porque o café custava um balúrdio e as mesas não eram feitas para ficar a ler o jornal

quando a cidade se começou a vender, as ruas já não tinham um desenho para eu chegar onde queria facilmente, as ruas passaram a dar saída só para museus, monumentos e lojas de galos de barcelos

quando a cidade se vendeu, já nem os anúncios eram para mim, porque a cidade não se vendeu para mim, porque eu não a podia comprar

quando a cidade se vendeu, os bilhetes de autocarro e de metro e de eléctrico e a gasolina, o gasóleo e os parquímetros passaram a custar um preço que se ria a bandeiras despregadas dos trocos que eu levo no bolso

quando a cidade se vendeu, os jardins deixaram de ter árvores e arbustos e lagos e bichos e passaram a ter o chão liso, duro e branco, e brancos eram os bancos, e continuavam a chamar àquilo jardim, porque jardim é uma palavra bonita

quando a cidade se vendeu, os parques infantis e as lojas e as garagens e os ginásios e os correios estavam forrados em todas as arestas de protecções contra os assaltos

quando a cidade se vendeu, as pessoas que lá viviam começaram a deixar o centro por ordem das classes sociais a que pertenciam

quando a cidade se vendeu, passou a ser um parque de diversões para turistas, e quem ainda lá morava escondia-se em casa porque as ruas e os cafés não eram feitos para si, e era uma chatice para os senhores importantes e os arquitectos urbanísticos quando as bichas da loja do cidadão saíam pela porta e davam a volta às esquinas

já não sei se a cidade se vendeu ontem ou se foi hoje, ou se é amanhã

domingo, 26 de agosto de 2012

L'info má

pas de nouvelles bonnes nouvelles?
passo de novas notícias
anúncio não anunciado
as interrogações as mesmas?
manipulados pelas aparências, ambiências, hortênsias
funicular

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

É possível

É possível
ficares aqui
connosco

Esse tempo
neste tempo
é provável

Resiste,
ó resistente:
é necessário

always bear in mind...


fragmento de Melville encontrado na rua

To enjoy bodily warmth, some small part of you must be cold, for there is no quality in this world that is not what it is merely by contrast. Nothing exists in itself.

menina pires fights for her silhouette



quinta-feira, 16 de agosto de 2012

carapauzinhos com arroz de censura

vieram-me dizer que tua casa acabava depois de amanhã
agarra o mapa e o pedal e o chouriço
a correr a ver o mar a correr a tropeçar na falésia
a tua barriga a gemer como a minha de fazer e de pensar
vem vamos agora assim com sol e cinza e facas de frio
a tentar temer desplanear
que as terras por que passo nas ruas conhecidas
anunciam carapauzinhos com arroz de censura
a tua mão sobre o lado direito o coração na mão
oh se a minha vida igual à tua não dava dois filmes
do outro lado do mundo ou noutro planeta o mordomo do papa contém a respiração
e a gente a correr a correr devagar a fazer isto girar
já lianas e fios tão longos que sorrio a desenhá-los e choro a vê-los
a tornear as dores bonitas e simples as fundas rir-nos delas
é de mapa é de papel que é preciso as rugas de quando se dobra
e vai de arco e flecha se me desapareces

a menina pires queria estar onde não está

Um terrível desejo de partir de uma vez para sempre
Uma horrível necessidade de viajar e não voltar
Uma estranha vontade de não estar onde se está
Um querer de outro sítio, já não chega a praia
Um precisar de ti, mas não saber quem és
Uma fuga sem saída, fugir para dentro do livro
Um prato de horizontes, o mundo plano
Uma sombra que não me acompanhasse a toda a parte
Uma busca em minha casa, à procura do crime

do filme O Bobo, de José Álvaro Morais

  
     - O que é que julgas poder ser fora daqui senão caricatura?
     - Mas combinámos sair de Portugal, não foi?

    - Pensas que vale a pena ser a caricatura desta terra noutra terra? Pensas que nos achavam graça?
    - Não faço ideia, Rita, não sei. Podíamos tentar.
    - Podíamos, mas não ia ajudar muito.




terça-feira, 14 de agosto de 2012

Aprendendo a ser delicada



a menina Loisa
viu o pássaro ainda vivo
voava vivo cheio de nervos
atento medroso ignorante
desenhava fios invisíveis

depois de inerte
de patas para o ar
asas de encontro à mesa
queria tocar-lhe para saber como era
isso de já não mexer
isso de se ter estragado
e tocava-lhe nos sovacos das asas
agora que podia

sempre em silêncio
a conter a respiração
não fosse ele acordar de repente
ou alguém vir intrometer-se
numa investigação só dela

tocava piano no pássaro

terça-feira, 31 de julho de 2012

segunda-feira, 30 de julho de 2012

p/b

um ponto em comum
não resistir ao preto e branco

se é um tabuleiro, jogam xadrez
se é uma passadeira, atravessam a estrada
se é um piano, tocam modinhas
se é um jornal, lêem notícias
se é uma bola, jogam futebol
se é um animal, chamam-lhe zebra

ó mãe
mas de que cor é que era o sangue quando as pessoas eram a preto e branco?

sexta-feira, 27 de julho de 2012

secura

a arritmia é contagiosa
o calor não se comanda
as vozes aqui gritam outras línguas
os meandros não entendem
hipnotizados pelos músculos grandes capitalistas que esboroam dos prédios das cidades
sentimos-lhes o cheiro da baba acre-morango

vêm silêncio e pássaros
todas as contradições e o peso da calmaria do sol
agosto de quem?

chamo-te e empurro-te e grito e tu não percebes nada
piscam o olho os manicómios
assegura-se sempre o circo em redor
porque insuportável pode ser a dor
se não a pisarmos com todas as solas calos e narizes vermelhos

agá agá os gagos
repetitivos mas não contagiosos
como alguns sonhos que não contagiam os dias
como jogar muito às cartas nas férias que já não tenho e dormir entre ouros e paus
em copas com espadas

verão
hei-de esfaquear-te

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Ou então...


Ou então a revolta organiza-se em lava e o vulcão põe a andar os cangalheiros. Vitória? Não, eles voltam sempre, como nos saltimbancos. Mas aí saberemos da alegria fervilhante da luta e já não desistimos. Mas era preciso quereres comigo um pouco disso. A beleza da encosta pelo menos.

Calcides


Calcides fronta na purina ao passo que indespiga. Unha cota ínclita e tresfeia o zanté. Tamora rechaca o choco e tira Unha de Calcides.


terça-feira, 10 de julho de 2012

das campanhas dos (o)buses


que a gazela é animal delicado frágil
em humano seria uma senhora
mas note-se que é a gazela consciente
consciente do planeta
- que é um problema secundário, como todos sabem
não é assunto de homens
que esses são realmente inteligentes e fortes
e o que lhes interessa é o mercado, o lucro, as empresas e o poder
assunto de gazelas é a verdura do mundo
a pureza a beleza a respiração com cheiro a flores
- a gazela consciente
a ser
não uma impulsionadora de mudança no mundo
(mundo)
mas sim um ser esquisito no meio do mundo
um ser de utopias ridicularizáveis
um pateta animal colorido
no meio do cinzentismo devido suposto querido

e o que fazer?
primeiro que tudo
- tão óbvio que nem se explica oficialmente -
aceitar que haja menos autocarros e carreiras e que os preços da carris aumentem exponencialmente

numa palavra, valide verde

http://greensavers.sapo.pt/2012/06/26/carris-e-nacoes-unidas-juntas-na-promocao-do-transporte-sustentavel/

quinta-feira, 5 de julho de 2012

cu média


Zenuíno distreme das fagulhas e objacta que tuta. Mazinho transgruda na bota colessionada parapar. E entretanto Lunícia distelha a mulice, acafa Mazinho e florece Zenuíno.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

caruncho

imaginava que eras de repente aquela pele por trás do pelo ressequida e mais perto dos ossos os ossos a agarrarem a pele a puxarem e os pelos a ficarem lassos de pouca carne os postiços a cair
no chão da rua
e a ficar o corpo de dentro de tudo isto a contar e o que contava era
o susto o medo o pavor porque batiam à porta e não estava ninguém do outro lado quando se abria porque as vozes das crianças se queriam recusar afastava-se o corpo do homem por si propositadamente e pela maneira de ser como o dos bichos que vão morrer longe
fugia o homem de ser visto a sofrer mais do que do sofrimento em si e ao pensar em si e nisto sofria mais e mais a pele se encostava aos ossos e os olhos se esbugalhavam mas sem esperar
ou à espera

não se espera assim por isso há-de haver uma reacção à dor dos ossos e da pele e à dor de tudo o que os olhos passam a trazer-nos à cabeça e ainda à dor imaginada dos outros depois e antes e durante e
saber falar?

ainda há tempo para aprender a falar mas ainda haveria tempo para aprender que há coisas mais bonitas que o orgulho do pirata

terça-feira, 26 de junho de 2012

Um cubo de três lados

Quadrado 1 - As ridículas

Eram as hipotéticas as futuras
porque ainda não estavam escritas
mas já se adivinhava
tudo o que de ridículo haveria nelas
e que se haviam de rasgar depois ou queimar ou guardar dobradas
dentro ainda dos envelopes originais
em caixas e gavetas e cantinhos das casas

Seriam amarfanhadas ou vincadas em linhas que iam gastar a tinta das letras
seriam recordadas
guardadas só para serem recordadas
queimadas só para serem recordadas
sempre efémeras
que o amor felizmente nunca é eterno

Uma resma delas

Mais vale não as escrever e deitá-las já no lixo
deitá-las já no caixote
ficar a olhar para elas
não escritas já deitadas fora

Pegava-se fogo depois ou antes?


Quadrado 2 - Corte de cabelo organizado

A corda é corda
emaranhada
confusa
áspera e resistente
bonita quando inútil em modo escultura
sempre harmónica
simples e rude

Com a tesoura fica outra coisa
fica laços que têm de se cortar
enforcados que têm de cair
pedaços que têm de ter medidas para usar para isto e para aquilo

Façam-se as medidas
cortem-se as pontas
dez centímetros para a direita
três centímetros para a esquerda
dez centímetros para a direita
três centímetros para a esquerda

Faz-se um jogo
que assim resumido se torna fordismo
e se fosse cabelo seria daqueles cortes mais compridos à esquerda que à direita
o fordismo depois não leva a lado nenhum
é beco sem saída
só com revoluções é que...


Quadrado 3 - O mapa

A marca
que com a palavra estrada se repete e prolonga e se torna estrada
leva pneu grande para mim de camião
o pneu rola sem ninguém mandar
quer fazer o seu caminho mas a gente dá-lhe regras
pôe limites
desenha uma curva para ele seguir
sai daqui
nem penses em seguir em frente
desvia-te ó pneu

A marca do meu pé
estará ali e estará segura
ali é a marca do meu pé que eu não quero atropelado
ali se calhar é já a entrada da minha casa
entrei em casa
com os sapatos com que ando na rua e descalcei-os

Uma estadia
uma estada
uma estrada

Um estrado
um estado
um estádio

Andamos
a querer pisar esta história
e forçar-lhe um fim

domingo, 24 de junho de 2012

descrição


Elas, com asas de todas as cores, ora azuis, ora brancas, ora rosas e verdes e amarelas – que nisso eram camaleoas -, já estavam habituadas a aconchegar o seu corpo entre os piloros e ficar ali adormecidas. Em certas épocas, pegavam ao sono durante muito tempo. Eram completamente resistentes aos sucos gástricos e digestivos, por mais ácidos que fossem. Eram sensíveis, mas imunes à insensibilidade. Depois, em momentos, em segundos, acontecia que se punham a voar em círculos, sem chocar umas com as outras, fazendo cócegas com as leves asas nos piloros. Como beijos de pestanas.

terça-feira, 5 de junho de 2012

literatura

Leia cuidadosamente este folheto
antes de tomar
este medicamento

É importante que o leia
mesmo que já tenha tomado aspirina
pois contém
novas informações

Caso ainda tenha dúvidas
fale com o seu médico ou farmacêutico
conserve este folheto
pode ter necessidade
de o ler novamente antes de
terminar a embalagem

Este medicamento foi receitado para si
não deve dá-lo a outros
o medicamento pode ser-lhes
prejudicial
mesmo que apresentem os mesmos sintomas

sábado, 2 de junho de 2012

a ferida

eu sou uma ferida
eu sou talvez ou por exemplo a ferida do nariz da minha avó
em vermelho vivo e em vermelho crosta
a escorrer e seca
a arder e a dor muscular
olha-me e pareço bonita
e olha-me mais e sem cegueira não vês as quebras no tecido macerado
as manchas gretadas
não, pode ser que não vejas
a máscara da ferida fica bela e parada em luz de inverno muito nítida
olha-me e pareço parada
e não vês as plaquetas a trabalhar a sair a entrar a coagular-me as arestas
e a dor muscular
não vês por dentro as nódoas negras a pedir punhos cerrados para não sentir a ressaca
a pedir unhas que façam sangue sangue que corra
para parecer viva
a ferida viva
os ossos pedem para ser vistos
o resto da pele a ser branca mais branca pálida
a ferida viva que já não grita
que grita calada
que grita o toque o raspão o rasgão a sina das unhas dos cortes de
x-acto
a ferida que se constrói
que mói que agarra o tempo e o ciclo de sarar
mais e mais massacrada e só calma e calada
entupida sem sons
a entregar-se a ser assim
beija-me que saibo a ferro e ferro dá-te força
tira a força que eu sou só ferida
lambe-me que saibo a ferro e ferro faz armas
tira a espada para ficar só
a ferida
não vês agora que horrorizo que sou carne que sou pêlos
fundo de esgoto centenas de larvas
não vês como sou feia e sem coragem
só feia exposta visão de horror
vês agora que os teus olhos se arregalaram de medo
que os teus pés dão passos atrás imóveis
que as tuas mãos se abriram voltadas para o chão
e é esse o momento em que a ferida começa a cantar com a voz que pediu emprestada à bela sereia
Entre a Flor e a Enxada by Shila on Grooveshark

sexta-feira, 1 de junho de 2012

ruge

a minha avó tinha uma ferida no nariz que não sarava
o meu vestido é vermelho, o meu computador é vermelho, o meu telemóvel é vermelho
se sabes ler como é que não sabes escrever
se eles não sabem escrever como é que sabem piolhar os documentos dos outros
o sangue quando desce à boca sabe a ferro
ontem quis ver o mar hoje hoje quero vê-lo amanhã

segunda-feira, 28 de maio de 2012

nem guronsan nem compensan, só benuron

afinal deus tinha de ter sentido estético, para criar o apêndice, afinal deus deus não existia como toda a gente sabia e cristo sabe-se lá, metáforas de colonizadores de cabeças, histórias mágicas para as cabeças das crias colonizadas
eu não as queria colonizadas, eu sonhei um dia que se descolonizavam, sonhei um dia mas mesmo de dia, que dos sonhos que sonho não me lembro, dos sonhos que sonho de noite
não me lembro, não sei se hei-de acreditar, será que isto era sono ou sonho ou estar noutro chão, o chão era outro, o dia era outro ou era este os dias medem-se pelo sol ou por estar acordado os dias são dia-a-dias ou são
catadupas e cascatas na cabeça em descolonização, em descolonização sempre, eu juro eu juro eu juramento sem bandeira descolonizarei, -me, e aos outros, descolonizar-me-ei descolonizar-vos-ei descolonizarmo-nos-emos

e antes de dormir ainda há sempre tanta coisa a fazer

a aurora é o novo ocaso

o dente grita o dente não sabia que a vida eram dois dias mesmo sem dormir as dezasseis horas, o dente raios parta o dente a gritar quero ser vitaminado! mas devia era ser vitalizado desvitalizado queria eu dizer o dente não me deixou dizer

tudo o que ele não deixa dizer

enganar o dente

a viver de noite
a ver o sol despontar
não acreditar
ter medo de não lembrar
puxar as horas
desprezar o sono
matá-lo de conversa
não parar de falar
fazer mais de três acordes
abrir alargar
dividir alongar
e já de dia outra vez
já de noite
não acreditar

quarta-feira, 23 de maio de 2012

cansaço calor confuso

Que a esta hora o cansaço
já tomara conta dos corpos
e a noite parecia apaziguar
as tensões, os tendões, os artelhos
E a cabeça cansada do desejo
há tantas horas iniciado, sonhado
e há tantas horas prometido
No escuro, no não dizer
parecia descansar, mas era trémito ainda
porque dois corpos vibram mais que um
No escuro da luz apagada, afinal
ouve-se o coração a bater
e não se consegue conter a respiração
E essa súbita mão a emigrar
calor e arrepio e delírio
tão primitiva e tão logo
tão libertação de tudo outra vez
como café no sono
agitadora de gás, resplendorosa
A riscar do mapa do futuro próximo
os filtros da posição que deve ser
deixa a confusão confusa para pensar depois
arrasa agora, arranha agora
e o fim é adiado e querido
cada vez mais próximo, galopante
Adormecer é dizer primeiro a palavra
confuso e não mais querer pensar
Não aconchegar é o medo do medo do medo
despreza-se então, dormindo toda a noite
O desprezo é uma centrifugadora na barriga
que não me deixará dormir tranquila
e para que serve?

terça-feira, 22 de maio de 2012

the fun's in the fight


"So keep fightin' for freedom and justice, beloveds,
but don't you forget to have fun doin' it.
Lord, let your laughter ring forth.
Be outrageous, ridicule the fraidy-cats,
rejoice in all the oddities that freedom can produce.
And when you get through kickin' ass
and celebratin' the sheer joy of a good fight,
be sure to tell those who come after
how much fun it was."

Molly Ivins, from "The Fun's in the Fight" in Mother Jones, 1993

quinta-feira, 17 de maio de 2012

friquinismos à parte, esta forma de migração chama-se amor

Daí para aqui
a força vai e vem e engrossa na viagem
os pós da tua luta aí chegam cá
e vou-te mandando sons daqui
A luz chega mais rápido
mas os sons amadurecem enquanto vibram no ar
De cá para aí
daí para aqui
se passeio e sorrio a tanta gente e troco as notícias por outras
faço um mundo mais redondo
pontilhado cada vez mais de formas cada vez mais diversas
arrisco pedir-te uma arte que ainda não provaste
arrisco provocar-te e tu
arriscas provocar-me
Com o que há aí
e eu faço com o que há aqui e mudo tudo mais uma vez
aqui sem acento nem frio
aqui com sol e pedras da calçada
aí com outros cafés e outros sapatos
aí contigo e mais quem te dá força e mãos
Puxamos muito o cotovelo para trás e para cima
e lançamo-nos uns para os outros e
tocamo-nos e misturamo-nos
Não saberei fazer nada aqui sem ouvir esse grito
já em eco
e sei então que também precisas de remessas do meu formigueiro
Que outra forma haveria de viver
e mudar os gestos?

sexta-feira, 11 de maio de 2012

A monte

Diana das origens
perseguida por faisões
faisões que coaxam e incham
e batem as asas
estalam as asas
Diana a trotar
à procura do arco
à procura do cio da terra

Cacilheiro, Joana, autocarro, laranja, Alcântara-pai, Paço de Arcos, Richard, tamanho, Parede, ginecologista, S. Pedro, casas, avós, prima, tios, S. João, avó Arlete, casa, cheiro, criança, linha, som, criança, S. Pedro de Moel, relâmpagos, acampar, mar, Porto Covo

Mulheres que param e sorriem
fogem
das zonas agitadas
de famílias e adolescentes
olham-no e ao horizonte
e sorriem

Vale sempre a pena vir ver o mar. Nunca desilude. É sublime. Embriaga-nos. Despe-nos as angústias com as ondas-garra. Puxa como um ancinho. Oferece-nos maresia ao mesmo tempo, para garantir que não dói. O mar tem sempre segredos com as pessoas. Com cada uma. E nunca conta nada a ninguém.
Quero dedicar-te metade do meu tempo, mar. Vir aos sítios em que és mais como eu te vejo. E na outra metade serei archeira, também - mas nos pinhais. Abriu a época de estivar ânimos.
E nesses bancos respirarei. Os avós, os amigos, os amores, as casas, as viagens, os cheiros, os sons, as memórias com objectos, as contra-regras, os contrários, a exody, as linhas, a linha do horizonte, a linha que não é uma linha, ou então imaginar de repente que vivemos num prato e um grande gigante nos pode comer a qualquer momento.
Poder beber o sumo todo antes da comida. Deitar fora o leite e aquelas roupas. Ter coragem. Disto e daquilo. Perceber que a Inês anda comigo. Lembrar da coluna. Dar ar ao tórax.
Viva o youtube, que tem vídeos sobre os peixes voadores. E agradeço ao café ter pão do rijo, e só levar uma salsicha. O mundo parece belo, de repente. Vamo-nos esquecer da mentira. Um bocadinho. Outra rapariga sorri ao ver o mar. E tira fotos aos avós iguais às da minha avó. Aqui vive-se diferente, parece.
Chegaram agora as gaivotas de prancha. São negras em contraluz. Não tenho horas. As horas dos outros são muitos cães e crianças. Não me dão inveja. Ainda sou, ou já, a mulher que sorri quando chega ao mar.
E depois havia tudo o resto, ainda mais intratável. Os dois fenómenos mágicos. O anoitecer e o amanhecer. Que carradas de coisas. Não dava para explicar.
E então era só trocar os horários. Combinar outras coisas com o tempo. Mas o mais difícil, era mudar o ritmo da respiração. E aquilo da coluna.
Da feiura não tenho medo. Mas o belo dá força. 

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Retrato do irretratável

A ponta de angústia
era uma minhoca da terra
negra e translúcida
flexível e variável
ora fina ora mais gorda
formando ésses e caracóis

De longe às vezes
parecia um cabelo caído
outras vezes uma artéria
uma tromba
um escoamento de barragem

No meio do resto da matéria
dos outros sedimentos
a minhoca desenhava-se assim
em cabelo caído
e podia ser visível com exames de raio x

A ponta de angústia
era um crinóide
lírio do mar
flor na barriga
fel de boca
ulcereta

Os exames de raio x eram caros
e não serviam para nada

erros teus, péssima fortuna, amor confuso

erros teus, péssima fortuna, amor confuso
todos os dias os mortos matutam
e enquanto muda a vida, a vida muda
mas
todos os lugares se conjuraram
lembrando-se dela de repente

enquanto o dia, minha perdição, desata aos gritos
o tempo troça dos recomeços
e o ar abafado prevê verões difíceis

desabafar assim não vale a pena - quase nada:
sonho ardido, astros desesperados...

não não não não não não NÃO
o destino rasga-se de gente
(resistir agora é crime aqui ao lado)
e a raiva ali mesmo ama
ao passo que a saliva salta

se é livre canta (...)

quem me dera o mar mais simples
com belas ondas
e música
a morte derrotada por ippon
outra vez amanhã
outra vez até ao fim

adília

Na nossa relação
eu aumentei de idade
e tu diminuíste.
Tens agora dezasseis.
Estou à espera que faças a tatuagem.



terça-feira, 8 de maio de 2012

Ao do quarto ao lado

Quando eu ia a tua casa
e me sentia em tua casa
e isso do cheiro que disseste
envolvendo tudo uma calma enorme
grande
contente
os sorrisos e os risos que disseste
nada a ver os nossos corpos
nada a ver
a calma é sempre do tamanho das tuas mãos
atiro o medo em flechas
para dentro dos teus olhos
e quando falas e cantas
ressoam-me os ossos
já não sei não saber o som do teu nome
queria viver assim
mas paira aqui um ar de flamingo em bicos de pés numa pata sobre bola de bowling
então vendo os olhos
cinco escudos
e sigo sem me importar se há chão
as pedras da calçada são gelo quando há frio
e fervem ao sol
qualquer coisa não há-de perder-se nunca respiro tudo

folgambafu


O dragão foi morto pelo príncipe.
A menina chora ao lado do seu dragão assassinado.
O príncipe parte em busca
de novas meninas.
O dragão que voava e rugia e lançava chamas
criador dos poemas e da música
das labaredas do amor e do combate
foi morto.
A menina era apaixonada pelo dragão.
O dragão era também a menina.
A menina odiou
quando o príncipe chegou.
O príncipe decidiu chegar de repente
e pôr-se a matar dragões.
E a transformar meninas em princesas.
A menina não queria ser princesa.
Queria ser dragão.
O dragão não tinha querer.
Vivia até que foi morto.
Já não há dragões para nada.
O dragão expeliu a menina pela boca
transfigurou a língua em príncipe
e com roupa de príncipe partiu em busca
de novas meninas.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Sai prá rua!

Programa que passou na noite de 24 de Abril de 2012 na Zona Franca (Bartô, Lisboa), com locução de Diana Dionísio.

A primeira parte é um conjunto de sugestões de músicas-de-sair-prá-rua, escolhidas por várias pessoas: Antonino Solmer, Daniela Gama, Diana Póvoas, João Rodrigues, Marta Raposo, Miguel Castro Caldas, Pedro Rodrigues, Pedro Soares, Regina Guimarães, Smith, Susana Baeta e Youri Paiva.

A segunda parte (que começa aos 1:01:17) é dedicada ao projecto es.col.a da Fontinha, então desalojado, entretanto reocupado no dia seguinte (25 de Abril), e novamente despejado.

Sai prá rua!


:: Os volumes não estão nivelados :: Em breve haverá uma nova versão com os volumes mais iguais uns aos outros ::

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Já não dá

Já não dá para aguentar
à beira do abismo
a temer a recear
que agora mesmo haja um sismo
fartos de viver
sobreviver a suspirar
não de alívio ou de encanto mas de pranto
de estar ao canto
de falar esperanto para paredes
de querer falar e não ter voz
de ter pernas que não correm
parecer que mesmo a lutar os sonhos morrem
não querer pensar
um minuto sem pensar
um minuto um minuto
mas eu não posso não pensar
não dizer
para dentro para fora
o que me revolta
o que agonia
que dá azia
porque se tu andas a foder tudo
como se não houvesse amanhã
eu ando a masturbar-me
como se não houvesse amanhã
a tentar inventar prazer na vida
viver uma vida vivida
que não seja só trabalho e comida
que seja transformada
que tenha palavra cantada
pintada
subversiva e divergente
palavras de gente
que se pintem às cores
com pincéis dos mais gordos
no meio das ruas no meio das vidas
nos prédios nos correios
nas entradas e saídas
que tem que haver
que temos de pintar e escancarar pr' acontecer
já não dá para acreditar
que não há nada a fazer

sexta-feira, 13 de abril de 2012

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Solo

tu deixa-me fazer esta linha melo-melódica por mim
tu deixa-me
inventar os meus trinados
seguir em frente ou para o lado e bater
com as teclas na corda
com a cabeça nas paredes
deixa-me ranger
agora sou eu
e não tens de me ouvir
ninguém tem de me ouvir
só tenho de tocar de tocar de me tocar tocar
nas coisas na lama nas rugas feias
dos poços malcheirosos
nos gritos escuros dos estrangulados nos canais
da miséria dos polícias do desespero
da não-solução
da prisão do entulho da faca com sumo de limão
peixe a rolar sobre si próprio
a morder anzóis sem os olhar bem
este peixe no torvelinho
feio a ganir
legume d'água a escarnar
tragédia de cabelos de cobras a gritar-se ao espelho
camisa de forças de cordelinhos desatados
ventos
guinadas
dilúvios
alhos e vinagres
e depois talvez silêncio talvez
ou a orquestra toda a voltar a juntar-se
ó ilusão

domingo, 8 de abril de 2012

Sol

sol só já não se sabe se há estações
aqui sol e maravilha no mundo de guerras
árvores belas bem desenhadas
luz que doura gato que curte
corpo cheio de prazer
nada e tudo por fazer
cigarro é desnecessário e néctar
é crime e está feito como tudo o que matamos
o necessário é estar só e ter domingos de páscoa
com baterias carregadas de força
para podermos estar longe como
achamos que queremos

sábado, 7 de abril de 2012

Ninguém pode comigo
nem o meu gato, nem o meu amigo

Ninguém já suporta
nem que eu esteja aqui, nem que eu esteja à porta

Se não és louca
não finjas que és
e usa d'etiqueta da cabeça aos pés

modos e trejeitos
de estar acompanhado
ritos e normas
d'animal bem educado

Sonho
com suicídios e prisões

quinta-feira, 5 de abril de 2012

úsculo

júpiter vénus
mercúrio vénus
terra
marte júpiter
saturno urano neptuno plutão

vénus é feita de espelhos
por isso brilha assim

júpiter grande longe
lua pequena perto
marte
vermelho

quarta-feira, 21 de março de 2012

outras

quando as árvores estiverem cansadas
não cansadas de viver
mas cansadas do sítio em que vivem
vão querer voar
e encerrar o sítio

mas os sítios são como as coisas e as pessoas
têm muitos lados, arestas, sabores
e há locus a menos nos sítios
e não se deixa assim um sítio
que já se quis tanto
e construiu

saem então com laivos de fúria
e ares de teatro nas folhas dos cabelos
agitando os ramos
fingindo arrancar umas raízes
e voam

e deixam a porta entreaberta
tudo sem olhar para trás
e deixam a porta entreaberta
voltar para trás tantas vezes
enquanto ainda está quente

as castanhas sabem bem quando cozidas
quando assadas com manteiga
se tiverem erva-doce

inauguraçao

quando os homens forem árvores
e fizerem o pino mais vezes
as dúvidas vao-se dissipar
e vao entrar na máquina do tempo
com mil milhoes de ratos

quando os ratos voltarem aos buracos
nós vamos sair
encontraremos campos negros
para a mao semear com braços de árvore
e ramos de absinto

quando a guerra acabar
vou comprar uns calçoes para ir jogar com os meus amigos
ao jogo do quereres
e o conflito será livre
e saboroso

quando o aberto
estiver presente
as faltas
hao-de ser
vidas

quando o teu amor
mudar de nome
as liçoes vao ser de novo
inesperadas
e aquáticas

quando as mulheres puderem ser
o que tem medo de ser
e o objecto nao esmagar
a nossa mao inteira
entao tudo será mais de metade

quando a gente carregando os tronos
tirar os quatro pés ao mesmo tempo
os ratos vao devolver o queijo
e nao restam dúvidas
o que vai a gente inaugurar

o raio indeciso

os abrigos estao prontos
mas tao mal construídos

dentro deles a minhoca
cava a terra por nada

a sul duas varandas
com camisas

a norte estar sozinho
no cheiro da manada

para oeste uma viagem
impossível

a leste a revolta
amada enraivecida

na margem a vida
o raio indeciso

e no centro a comida

terça-feira, 20 de março de 2012

As frases escritas na noite d'Ontem Tornei-me uma Viúva Alegre

No passado dia 25 de Fevereiro, houve um jogo de palavras musical na sede dos Precários Inflexíveis (Lisboa): Ontem Tornei-me uma Viúva Alegre. Dessa noite de música escolhida pelos djs Patáááu!, Ihihih..., Woohoo! e Grrrr..., e a partir das palavras que foram sendo afixadas na parede, nasceram estas frases (clica nas imagens para ficarem maiores):




segunda-feira, 19 de março de 2012

coraggio?

sentada a azedar a amargura
fel ácida de cor escura
e a enterrar

já esbracejei o que podia
a pedir urga e carne viva
já os ombros chiam

cala-te boca
agora cerro-te
com chave de parafusos

pantera adormecida

(...)
É toda a força contida
e evidente sem disfarce,
o salto que há-de formar-se
da pantera adormecida.
(...)

(António Gedeão, versos do poema "Foguete de lágrimas, de "Teatro do mundo", 1958)

domingo, 11 de março de 2012

sexta-feira, 9 de março de 2012

soneta

outro soneta é rapidamente
como quem põe a cinza na garrafa
com acentos porque a máquina safa
e a lua só cheia é que não mente

já não vejo os desenhos animados
no dia de manha às 7 e meia
passou o tempo de dormir na teia
agora tens de decidir os fados

querem sempre ver ali no escuro luz
querem sempre ver ali na luz a amada
querem ter o mundo menos confuso

querem agir sozinhos catrapuz
querem dizer da guerra uma almofada
querem que a vida inútil tenha uso

quinta-feira, 8 de março de 2012

terça-feira, 6 de março de 2012

coragem 4

invocada em vão deuses a coragem
que faz da liberdade os impossíveis
quotidianamente irascíveis
é como o burro dia-a-dia na linguagem

assim tu na revolta vais dobrando
agitando urgentes campaínhas
mas para quem cozinha nas cozinhas
não se ouve nem o bule suspirando

será então questão de responder
perserverantes na refrega endiabrada
ao lobo que aí vem e não desiste

mas não se trata do culto do sofrer
nem dos galões da valentia desvairada
talvez seja só não estar assim tão triste

coragem 3



"We must build dikes of courage to hold back the flood of fear"
(Martin Luther King)

coragem 2 - l'endurance de l'impossible (para debate)

La vertu principale dont nous avons besoin est le courage. Cela n'est pas universellement le cas: dans d'autres circonstances, d'autres vertus peuvent être requises de façon prioritaire. Ainsi à l'époque de la guerre révolutionnaire en Chine, c'est la patience qui a été promue par Mao comme vertu cardinale. Mais aujourd'hui, c'est incontestablement le courage. Le courage est la vertu qui se manifeste, sans égard pour les lois du monde, par l'endurance de l'impossible. Il s'agit de tenir le point impossible sans avoir à rendre compte de l'ensemble de la situation : le courage, en tant qu'il s'agit de traiter le point comme tel, est une vertu locale. Il relève d'une morale du lieu, avec pour horizon la lente réinstallation de l'hypothèse communiste.
(Alain Badiou, "Le courage du présent", Le Monde, 15 Février 2010)



(em inglês)
The main virtue which we are in need of is courage. This is not the case universally: in other circumstances, other virtues may be required as a priority. Thus, at the time of the revolutionary war in China, Mao promoted patience as a cardinal virtue. But nowadays it is courage. Courage is the virtue that manifests itself, regardless of the laws of the world, through the endurance of the impossible. The thing to do is to maintain the impossible point without accounting for the situation as a whole: courage, inasmuch as it is a question of treating the point as such, is a local virtue. It arises from a local morality, and its horizon is the slow reinstallation of the communist hypothesis.
(Alain Badiou, “The Courage of the Present” is an article from Le Monde, February 15/2010)

coraggio (coragem)


Agitatevi perché avremo bisogno di tutto il vostro coraggio. Organizzatevi perché avremo bisogno di tutta la vostra forza. Studiate perché avremo bisogno di tutta la vostra intelligenza. (Antonio Gramsci)

quinta-feira, 1 de março de 2012

100 olhos

O ciclope só tinha um olho ou tinha três? Eu acho que só um.
Havia ainda que falar sobre os amblíopes, os cegos, os estrábicos, os míopes...
Mas ficamo-nos pelo Argos Panoptes.


terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

(prossegue o debate)

civilização é só saber as maneiras...
...ter cultura - mas isso tem-se?
não é ser sábio, é ser livre

o centro do mundo

Esta manhã tão fria
Tem aqueles camiões de fumo
A sair da cidade
E eu respiro nevoeiro

Os escritores antigos sabiam
Alguns sabiam
Que pesa toneladas a leveza

Os matemáticos antigos sabiam
Que a dúzia é múltiplo de dois, três e quatro
E isso continua a saber-se

No autocarro
No metro
No chão
E debaixo

Que não é exacta a área do círculo
Porque dá muitas voltas o mundo o mundo

Sabem que todos os dias
É como ir para a escola
Mas quem aprende o quê?

Aprender tudo, escolhendo
Copérnico primeiro
Pois o mundo o mundo
o mundo não é o centro

Fala da voz da Roby

Porque quando tu te ris, ris-te toda. E acho isso tão belo. Porque eu já não sou assim. Sou cínica, amarga, céptica, ácida, crua, fria, dura, azeda, desalentada, sarcástica e corroo. Destilo ódio ou desilusão.
Nos panelões da tinta vermelho-escura de carne viva me mergulharam. Voltei à superfície da terra ainda pingante e fumegante e com a goela aberta em grito de münch.
Bateram-me as carnes com o martelo de ferro das cozinhas sobre tábua de madeira, outras vezes.
E tu pareces saber de tudo isso que há no mundo e mesmo assim continuas a saber resplandecer. E olhas para as coisas nos olhos das coisas. Eu já não foco.
A tinta de carne viva é agora crosta e a carne viva é agora fóssil. O que ainda vive em mim está muito mais para dentro. E inatingível. Já não posso falar com a minha carne viva. Nem tu.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Feriado

Ela tinha umas botas azuis e enterrou-as na areia, e uns jeans azuis feitos com areia. Tinha uma caneta que escrevia a azul e uma camisola castanha.
Não pensava porque o cansaço do trabalho e dos prazeres não deixavam capacidades para o pensamento. E não sabia o que escrever porque não pensava.
Fumava porque tinha vontade de ocupar a boca. Falar exigia muito esforço do corpo: desde o cérebro encontrar palavras até à ginástica da língua e dos maxilares.
Estava na praia porque precisava do som das ondas e do cheiro. E porque naquele Fevereiro faziam mais de dez graus. A praia era ao pé de Lisboa. Lisboa tinha-se esquecido de que era uma praia, uma praia fluvial. Então tinha de se fugir de Lisboa.
Os cães e as bolas iam circulando à sua volta e ela não queria que se metessem com ela. As bolas porque rolavam muito e eram incontroláveis. Os cães por causa da baba e do ladrar que furava os tímpanos.
Os namorados namoravam de amor verdadeiro e ela não tinha inveja. Parecia-lhe muito bem que isso existisse no mundo. Nem conseguia perceber que não houvesse amor numa praia. Sorria porque as pessoas tinham escolhido a areia em vez das montras do centro comercial.
O vento arrepiava e, embora o sol acariciasse, ela pensava em voltar para a esplanada.
Na esplanada havia sumos e computadores e as pessoas falavam mais baixo do que na areia, quando falavam. A areia era muito mais simpática mas ela não sabia permitir-se um prazer por muito tempo. Arranjava na ideia impaciências de coisas por tratar. Mas não pensava.
Cuscava os namorados que tinham uma relação a três. Ele, ela e a máquina fotográfica. Corriam, saltavam muitas vezes um para cima do outro, riam-se e gritavam. Tinham corpos mais ou menos soltos. O mais solto possível dentro dos corpos que já traziam do mundo da cidade.
Não trabalhar era uma liberdade.
Por que não havia toda a gente de trabalhar só três horas por dia? Acabava o desemprego e a seriedade cinzenta. E quem sabe o que nasceria a mais no mundo depois disso... Ninguém se ia arrepender. Só os poderosos e endinheirados de hoje.
Só ia continuar na areia se lhe desse para fazer a roda ou o pino. Mas não ia fazer.
Também não tinha um ele e uma máquina fotográfica para fixar todos os beijos. Nem uma bola ou um cão.
Quando o vento parava, agarrar na areia às mãos cheias era o maior dos prazeres. Depois o vento voltava, não muito convincente, e ela pensava voltar para a esplanada.
As horas do dia iam correr assim. Iam fugir assim. À noite as paredes e as caras voltavam a ser as mesmas. Talvez ela conseguisse recomeçar a pensar. Desenterrar o azul da areia, durante o beijo mais longo dos três.
Na esplanada as pessoas falavam mais baixo mas estavam mais perto. Também havia hamburgers com queijo e wireless. O vento sentia-se menos do que junto ao mar.
Ela pediu um café e pensou decorar o pires com maionese. Pensava nestas coisas e depois não as fazia.
Já as gaivotas roubavam tangerinas às pessoas e depois roubavam a tangerina umas às outras e toda a gente parava a olhar. E a rir.
Ó senhora gaivota, não me quer vir aqui ao pires, decorá-lo com maionese? Mas com cautela...
De repente as pessoas eram menos e as gaivotas eram mais. Ainda havia avós iguais às netas e muitos sobre rodas. A areia crescia e a luz descia. E ela passado um bocado também se ia embora.
A pensar: aquela família é um prato chinês.

Texto esquecido no café e respigado do lixo duas marginais depois.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

sim, dá


volta-se atrás
e encontram-se papéis no lixo
sujos com manchas

não dá para lavar

anda-se para a frente
e encontram-se sonhos
pintalgados de cores

não dá para apagar

olha-se para o lado
e encontram-se ruas
cheias de mentiras

não dá para varrer

olha-se para o outro lado
e encontram-se casas
com gente adormecida

não dá para acordar

ouve-se para dentro
e encontram-se dores de barriga
com fome de comida

sim dá para jantar

mas dessa sopa não
por favor

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

System


(fotografia de Tina Modotti)

"System", de Robert Louis Stevenson

Every night my prayers I say,
And get my dinner every day;
And every day that I've been good,
I get an orange after food.

The child that is not clean and neat,
With lots of toys and things to eat,
He is a naughty child, I'm sure--
Or else his dear papa is poor.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

oiço bem a conversa


Oiço bem a conversa
Mas estou na outra ponta da sala
Um deles diz que sim que mais também
Sempre foi assim e assim há-de ser
Talvez isso lhe baste
Ela acha que as pessoas querem coisas erradas
Fúteis
E que só mudando a mentalidade
Ai, estas máquinas, tinha de ser a escola...
Outra, ao lado dela, nao acredita que as pessoas mudem
Mas pensa possível haver progressos
Através de leis que proíbam a maldade e defendam
A bondade
Há ainda dois
Um calado parece olhar cínico a televisao
Outra estrebuchando aponta para outros lados mas com fracas armas
Levantando os braços
Para tentar mostar que nao vem tudo de cima
Entornando copos
Nada de grave
Entre risos e rissóis

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Que poeira leve... (ainda uma última solidão)



Solidão
Que poeira leve
Solidão
Olhe a casa é sua
O telefo...
E no meu descompasso
O riso dela
Na vida quem perdeu o telhado
Em troca recebe as estrelas
Pra rimar até se afogar
E de SOluço em SOluço esperar
O SOl que SObe na cama
E acende o lenÇOl
SÓ lhe chamando
SOlicitando
SOlidão
Que poeira leve...
Se ela nascesse rainha
Se o mundo pudesse agüentar
Os pobres ela pisaria
E os ricos iria humilhar
Milhares de guerras faria
Pra se deleitar
Por isto eu prefiro
Chorar sozinho
Solidão
Que poeira leve
Solidão
Olhe a casa é sua
O telefone tocou, foi engano
Solidão
Que poeira leve
Solidão
Olhe a casa é sua
E no meu descompasso
passo
O riso dela

I'm so alone

i'm so alone 1



i'm so alone 2



i'm so alone 3



i'm so alone 4

 
i'm so alone 5



i'm so alone 6



i'm so alone 7

cuidado com os transgénicos

domingo, 29 de janeiro de 2012

respirar fundo

Adormecer nos teus braços
a cheirar-te os poros
a acertar as minhas batidas
com as tuas tão calmas
Poder adormecer segura e simples
com o meu irmão
sem incesto
sem complicação
só estar muito perto
estender o carinho
respirar fundo
dar descanso ao corpo e à cabeça
Respirar-te respirar-me
perder a consciência
perder o peso
sonhar à vontade
dormir
Sem amanhã
gozar o caminho
unir-me
ser nós
este bocadinho.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

mas à noite havia disto, apetecia só dormir

eram duas torres
era tudo grande
eram ligadas a meio nos vários andares
havia escadas, elevadores
e amigos em toda a parte porque era a minha festa de anos
ou os meus dias eram todos assim
com amigos em todos os cantos
de todos os lados
a visitarem-me
em festa
sem trabalho
e eu podia estar contigo deitada na relva do topo das torres
e na relva da base das torres
e tudo era possível
e tudo sabia bem
havia bolos que apareciam não sei de que cozinhas
e os materiais das torres não tinham nada a ver comigo
espelhos, mármores, linhas rectilíneas
mas era a minha casa
e toda a gente se sentia bem em minha casa

As Torres da Cinciberlândia by Xutos & Pontapés on Grooveshark

os braços na mesa

pouso os braços na mesa
cansada de equilibrar a vassoura
amanhã na rua se rirão
não vão perceber nada
mas eu farei de surda e atenta
seguirei apenas a música
e a batalha todos os dias
até que a acção seja irmã do sonho
tirem-me os feriados
que eu descanso na mesma
os braços na mesa
e amanhã na rua...

aqui estou eu, o vosso palhaço, usem-me até eu rebentar


Vero palhaço

Nascer, o vir à vida, a caminhada
A alegria, a tristeza, o desengano
É o que sentimos a cada passada
De uma a outra etapa, ano após ano

Mal o riso se fecha o peito dói
Há choros que esbarram em gargalhar
De vez em quando a mágoa que corrói
À porta da alegria vem chorar

De contrastes assim tece-se a vida
Pesares abrem nalma uma ferida
Há risos a fluir até no olhar

E o homem, ora rindo, ora chorando
Enquanto vive a vida caminhando
Vero palhaço, ri o seu penar.


Gilson Nascimento

*

Acrobata da dor

Gargalha, ri, num riso de tormenta,
como um palhaço, que desengonçado,
nervoso, ri, num riso absurdo, inflado
de uma ironia e de uma dor violenta.

Da gargalhada atroz, sanguinolenta,
agita os guizos, e convulsionado
salta, gavroche, salta clown, varado
pelo estertor dessa agonia lenta ...

Pedem-se bis e um bis não se despreza!
Vamos! retesa os músculos, retesa
nessas macabras piruetas daço. . .

E embora caias sobre o chão, fremente,
afogado em teu sangue estuoso e quente,
ri! Coração, tristíssimo palhaço.

João da Cruz e Sousa

*

Pelos Palcos da Vida

Fantasia de palhaço, sempre termina
Quando a luz do palco pisca
E a cortina de sonhos se abaixa.
Feito máscara derretida
Que confunde minha alma dourada
Com o gosto amargo do dia
E da lágrima que teima em cair.

Pelos palcos, pela vida,
Pelas suas bocas pintadas
Pela dor de um palhaço sem circo
Pelo mistério da mágica
Que sai de mim.

Por todos os palcos do mundo
Encenando a vida de forma errada
Por todos os cantos calados
Que explodiram de bocas fechadas
Ah, você... não saia de mim...
Fique comigo, doce querubim.

Se eu pudesse, lhe daria,
A magia e o sonho em que vivo
A alegria que eu não sabia
Que ainda existe em mim
Ah, eu lhe daria...
A amargura de ser só palhaço
A angústia de circo fechado
Para balanço de uma "doce vida"
A que existe em mim.

Luiza Albuquerque

*

Raimundo
(Perfil de um cidadão comum)

Raimundo
imundo perfil do mundo
(aos olhos de quem se faz surdo)
e não ouve do profundo os gritos
soturnos de fé.

Raimundo
imundo perfil do mundo
mundo que se fez muro
e dividiu vários mundos.

Mundo, todo mundo
te busca; no dia a dia
dos vagabundos
nos palhaços dos olhos
escuros
cujo brilho já muito se perdeu.

Somos todos palhaços do mundo
e Raimundo é apenas o perfil imundo
aos olhos de quem é surdo.


Mário Donizete Massari

*

Poema da Utopia

A noite
caiu sem manchas e sem culpa.
Os homens largaram as máscaras de bons actores.
Findou o espectáculo. Tudo o mais é arrabalde.

No alto, a utópica Lua vela comigo
E sonha coalhar de branco as sombras do mundo.
Um palhaço, a seu lado, sopra no ventre dos búzios.
Noite! Se o espectáculo findou
Deixa-nos também dormir.


Fernando Namora

*

O Palhaço

Anda-se a rir, a rir dentro de mim,
Com as lívidas faces desbotadas
Um estranho palhaço de cetim,
Rasgando em dor meu peito às gargalhadas!
Sobe aos meus olhos sempre a rir assim -
Espreitando as figuras malsinadas
Que não se vestem nunca de arlequim,
Mas andam pela vida disfarçadas.

Na sombra dos meus cílios, emboscado,
Ri, no meu olhar frio e desolado,
Escondendo-se atónito e surpreso

E quando desce à triste moradia,
Vem mais louco e soberbo de ironia
Na irrisão dum sarcástico desprezo!


Judith Teixeira

*

Canção dos Palhaços by Sérgio Godinho on Grooveshark

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Quem pode poupar?

Voltei a ver o nosso querido Cavaco
a declarar sobre as suas dificuldades
para pagar as suas despesas.
Aquele homem, aquele monstro,
que me aparece à frente desde que nasci, sem eu nunca ter pedido,
com aquela voz,
aquela deficiência na fala
(e de certeza que chegou a ter aulas de dicção entre os anos 80 e os 2010)...
Voltei a vê-lo a falar com os jornalistas,
a dizer coisas que nos chocam,
inventar que é igual a quem não tem dinheiro,
que está na mesma situação
que o moço que agora serve a gasolina em Santa Comba Dão
- ai, enganei-me! - em Boliqueime!
Mas vejamos com atenção
- e tentemos abstrair-nos um pouco
do Rio ao lado que quase não consegue conter o ataque de riso ao ouvir tamanhas mentiras
(ele, o principal aprendiz de mentiras e do descaramento) -
e percebemos
que o Cavaco queria era pôr a tónica sobre isto:
«eu poupei».
Eu poupei, tenho poupanças, vivi como o Salazar me ensinou.
Vocês estão na merda porque não souberam poupar.
Eu e a minha Maria sempre pusemos de lado,
as minhas escrivaninhas são povoadas de porcos mealheiros,
os meus aparadores, os meus psichés,
até a fonte que tenho no jardim lá tem um porco mealheiro sorridente.
Mas quem pode poupar?
Quem pode poupar é porque não anda a contar.

Vai mas é comer bolo-rei, ó bacalhau seco.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Elis Regina morreu há trinta anos

...com 36 anos...
Mas não é o aniversário da morte que impressiona a menina pires, nem o facto de ela ter morrido tão nova.
O que a impressiona é o modo de cantar da menina elis, sua irmã até na silhueta.

Aqui ela canta uma canção do Milton Nascimento.
Nascimento, morte... vem mesmo a propósito, menina.



Para quem quer se soltar invento o cais
Invento mais que a solidão me dá
Invento lua nova a clarear
Invento o amor e sei a dor de me lançar
Eu queria ser feliz
Invento o mar
Invento em mim o sonhador
Para quem quer me seguir eu quero mais
Tenho o caminho do que sempre quis
E um saveiro pronto pra partir
Invento o cais
E sei a vez de me lançar

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Da cozinha e das suas ferramentas

Martha Rosler's - Semiotics of the kitchen

Hyaena Fierling Reich - Helena you're so domestic

Bezerra da Silva - Garfo no bolso

Frank Zappa - The dangerous kitchen

e a caminho dos sitiados reencontrei os clandestinos

Mais sobre os clandestinos: aqui e aqui.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

o João Aguardela morreu há três anos

e parece que foi ontem
aqui ficam uns soltos sitiados: Naufrágio by Sitiados on Grooveshark